O jejum é a privação de alimentos por um período de tempo. É impossível falarmos do jejum sem citar os fariseus. Essa classe se considerava protetora da lei de Deus na Terra, portanto, fazia de tudo para que os judeus seguissem à risca os mandamentos divinos.

 

Também não podemos falar em jejum, sem fazer um comentário do ponto de vista médico. Sabemos que nossa alimentação, além de balanceada em termos de nutrientes, deve ser bem distribuída ao longo do dia. Assim, não é aconselhado que alguém fique mais do que 3 ou 4 horas sem alimentação, exceto em casos excepcionais, com indicações médicas (como para realização de exames complementares), ou durante o sono.

 

O jejum que tem valor para Deus não é a simples abstenção de alimentos, como forma de sacrifício, e sim, um uma comunhão profunda com Deus, com abstinência de tudo que desagrada a Ele. Esse jejum pode ser feito até se alimentando de seu prato preferido. Ou seja, nossa vida deve ser um constante jejum.

 

Eu sou obrigado a jejuar?

Ninguém é obrigado a nada e o jejum não é um mandamento. Não é algo que garante salvação a ninguém. Porém é algo que todos que vivem o Evangelho, tem prazer em fazer, não como obrigação e sim, como forma de gratidão, de quebrantamento e de comunhão. Agora, se a pessoa tem um problema sério de saúde ou se tem alguma condição que a predisponha a problemas caso não se alimente adequadamente, não faça um jejum muito longo.

 

O que dizer de Mateus 17:19-21?

Jesus afirmou que os discípulos não conseguiram expulsar os espíritos do jovem porque não tinham o poder místico do jejum? Não! Era por causa da fé! Aquela casta de demônios não sairia sem jejum e oração, não porque o jejum traria mais poderes e sim, porque é um ato que faz com que a pessoa se desligue de tudo que possa abalar a fé ou colocar dúvidas ou questionamentos na mente; é uma atitude que demonstra profunda fé e que quando feita com sinceridade e espontaneidade, representa um grau muito grande de comunhão com Deus, comunhão esta que aumenta a cada vez mais com essa relação de intimidade com o Eterno.

 

O jejum deve ser espontâneo e secreto. Jesus criticou os fariseus por jejuarem e mostrarem a todos que estavam fazendo isso (Mateus 6:16-18). Infelizmente essa é uma atitude muito comum atualmente, pois a maioria que jejua diz isso abertamente ou então fica a todo o momento dizendo para todos jejuarem (afirmando indiretamente que estão fazendo isso). Foi justamente esse exibicionismo que Cristo condenou. Portanto, cuidado!

 

Outra coisa que jamais pode existir é a tentativa de barganha com Deus. Muitos jejuam como forma de conseguir uma bênção. Jejuam para conquistar um emprego, uma promoção, uma casa, um cargo eclesiástico ou qualquer outra recompensa. Isso não existe! Jejum deve ser a busca por comunhão com Deus e uma forma de quebrantamento e de gratidão. É alimentar a alma sem se importar com todas as demais coisas. Se for fazer um jejum de comida, lembre-se que deve ser uma abstenção de tudo e esse é o único jejum que tem valor para Deus.

Pastor Miquéias Campos

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu