Lugar de Esperança

Textos: I Sam.5.1-2, I Sam.6.1-2, 7-8, I Sam.7.1-2, II Sam.6.1-11, I Cron.13.1-4, 

Esses dias fui obordado na rua por uma pessoa que por saber que sou pastor, decidiu me dirigir uma pergunta sem saber se eu queria responder ou não. Ela queria saber porque nós acatamos as ordens do tráfico e desobedecemos as ordens de Deus, disse, quero saber, porque somos assim? De imediato lhe dirigi à resposta, dizendo que isso é resultado de ensinamentos errados que as igrejas fizeram por décadas. Ensinavam as pessoas dizendo que deveriam estar nos cultos, a servirem a igreja, não a Deus. Preparam as pessoas para serem crentes do lado de dentro, e não do lado de fora. Essa falta de ensinamento, trouxe para dentro das igrejas, coisas que deveriam estar do lado de fora, mais acabou entrando nas igrejas. As pessoas aprenderam a gostar de igreja, mas não do dono da igreja, passaram a viver em dois mundos, um dentro e outro fora, aprenderam o viver espiritual dentro, mas carnal fora, e por não saber viver nesses dois papéis, começaram a trazer o mundanismo para as igrejas, trouxeram consigo, vários costumes e sugeiras. Vejo em tudo isso, é que poderíamos escrever melhor a nossa história, mas muitos estão escrevendo mal a sua história.

A nossa história sofre interferência nossa. Por muitas vezes, Deus está querendo escrever, mas toda hora tiramos a caneta das mãos dele.

1) Filho de peixe é peixinho, mas filho de crente, não é crentinho. I Sam.2.29,34. Essa história tem início com os filhos de Eli (Hofni e Finéias) que cresceram numa família sacerdotal, e acabaram perdendo o temor a Deus e incorreram em grave pecado que os levou à morte.

1.1) Cuidado o fato de você trazer o seu filho para igreja, não garante a sua salvação, ele precisa conhecer o Deus da igreja, não somente a igreja.

2) Deus permitiu a arca ser tomada para ela voltar a ser valorizada. Foi justamente nesse período, que Deus mostrou ao povo o valor da presença no meio do povo. Essa arca volta para casa de Abinadabe e ali fica por 20 anos.

2.1) Valorizar o tempo que passamos no templo, muitos já não tem reverência a Deus, muitos menos a casa dele. 

– Sao Falatórios desnecessário.

– Andam de uma lado para o outro, atrapalhando o culto.

– Sentam de qualquer jeito, como se tivesse no sofá da casa.

– Se vestem de maneira inapropriada, sem decescia.

– Fazem uso indiscriminado de aparelhos na hora do culto, roubando o tempo de Deus.

– Usam a casa de Deus para momentos amorosos e troca de carinhos.

3) PERIGO. Por ser filho de Abinadabe, Uzá acabou se acostumando com a arca que em sua casa ficou cerca de vinte anos. Tal benção para muitos, mas  ele não foi valorizada. Ter a arca em casa virou “rotina”. Uzá não percebia, mas o fato de ver a arca em sua casa, acabou virando rotina, perdeu o temor é toda reverência a Deus.

3.1) Não reconheceu a sua herança espirutal. Desprezou a história de seu pai, desprezou o seu chamado.

3.2) Desprezou os momentos solenes (cultos), igualando a um ritual qualquer, por isso tocou na arca.

3.3) Perdeu o temor a Deus e as coisas de Deus. Sabia que a arca devia ser transportada pelos levitas, mas conduziu num carro de boi, como recebeu.

Conclusão. Uzá, teve uma morte trágica, em um momento de festa da nação, porque desprezou a Deus e as suas ordenanças. E você, que final está escrevendo para a sua história? 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu